Trocando ideias
Meus caros, os tempos mudaram a vida não continua a mesma, e o que sabemos fica obsoleto muito rapidamente.
O que acontece com todos nós que temos pressa para tudo e o momento para ser feliz é AGORA?! Nunca na história do planeta tivemos tantas mudanças em tão pouco tempo. As informações se renovam a  cada segundo e as novas tecnologias revolucionaram o mundo.
A minha, a sua, a nossa vida está completamente modificada com esse novo jeito de pensar e fazer as coisas, estejamos nós com 10 ou 90 anos.
Adeus ao caderno de caligrafia! Agora é Tablet, e se você ainda não adquiriu um, trate-o de fazê-lo porque senão daqui a pouco  se sentirá “dinossaurico” e  as pessoas lhe olharão como alguém muito distante do que se considera moderno hoje.
Recentemente participei de um congresso e dei-me conta que pouquíssimas pessoas anotavam como eu, num velho e bom caderno espiral. Lembram-se dele?
Fiquei pensando sobre o quanto as coisas mudaram e a impressão que tenho é de que o Google e os sites especializados sempre estiveram conosco na história da humanidade, nos dizendo o que fazer como nos conduzir na vida e sermos politicamente corretos.
Confesso que tenho saudades de um tempo em que conversávamos em torno da mesa do jantar confabulando sobre coisas triviais e trocando ideias, que nos acalentaram as lembranças vida a fora nos fortalecendo nas horas em que precisávamos de referências para seguir nos momentos mais desafiadores da vida.
Mas os tempos são outros, e o nosso cérebro está sendo impactado profundamente por toda essa revolução nos costumes, nos hábitos, nos valores e na formação do caráter de uma geração que com certeza  marcará o mundo com o seu comportamento apressado e comunicando-se cada vez mais de forma virtual.
Segundo a Abraweb  “o número de usuários de computador  vai dobrar em 2012, chegando a 2 bilhões. A cada dia, 500 mil pessoas entram pela primeira vez na Internet e são publicados 200 milhões de twitters; a cada minuto são disponibilizadas 48 horas de vídeo no YouTube; e cada segundo um novo  blog é criado. 70% das pessoas consideram a Internet indispensável. Em 1982 havia 315 sites na Internet. Hoje existem 174 milhões”. Certamente no momento em que terminar de escrever e publicar esse artigo, esses números já estarão ultrapassados. Veja só a irrelevância do tempo e da informação!

Diante de tantas mudanças em apenas 20 anos do advento da internet, o nosso DNA é cibernético e a comunicação entre as pessoas grande parte do tempo acontece através das mídias sociais e sms, isso não é novidade para ninguém.

Então como exercer a liderança num cenário multigeracional e volátil na formação de valores? Vamos continuar nas empresas fazendo gestão de pessoas como os nossos pais e avós?

Não estamos falando aqui de certo e errado, estamos falando de uma profunda transformação no comportamento humano e que alguns de nós senão a grande maioria vive atordoada sem saber direito qual é o caminho, embora saibamos que qualquer que seja ele, será irreversível.

O novo e o velho jeito de fazer as coisas se misturam e cada vez mais as empresas ficam sem saber o que fazer para tornarem-se atrativas e manterem as suas equipes por mais tempo.

As gerações atuais querem saber o melhor a fazer para serem felizes AGORA e ter sucesso nas suas escolhas profissionais com qualidade de vida.

Parecem que as respostas estão em toda parte embora a grande maioria das empresas permaneçam adormecidas para ouvirem as novas gerações apontando o caminho.

É natural que existam resistências e contradições no processo, mas não há mais tempo para continuarmos pensando que faremos gestão corporativa e de pessoas como há 20 anos!

É preciso transformar-se e modificar crenças internas que relutam em manter as coisas como estão.

Se as lideranças mundiais das instituições e das corporações não se apressarem para transformarem as suas culturas e continuarem  acreditando que isso se dará naturalmente com o passar do tempo, toda essa geração fará essa mudança sem pedir licença.

Uma coisa é certa: por mais que as culturas das empresas teimem em fazer gestão de pessoas como se nada estivesse acontecendo, se não inovarem no seu jeito de pensar, estarão fadadas a fazer parte do passado em curtíssimo tempo.

Vejam como se comportam os novos líderes e suas equipes. Ninguém mais quer deixar de ter qualidade de vida e suas  próprias opiniões a respeito do que é melhor para as suas vidas.  Promoções rápidas e com aderência para os valores e objetivos de cada um fará parte dos novos modelos de gestão de pessoas. Cargos e  salários farão parte da história, mas não  serão necessários  para  nortear as estratégias de  remuneração e promover.

O jeito certo é a competência certa, o resultado esperado e o quão sustentável é ideia, e, com ela a congruência com os sonhos e objetivos daqueles que compartilham e constroem o futuro que hoje acontece no agora, na vida pessoal, nas carreiras e nos novos valores a serem construídos e vivenciados pelas empresas.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *